Resenha: A Sonata Perfeita - Rose Tremain


Sinopse: Para Gustav Perle, a vida deve ser vivida com reserva, autocontrole e, acima de tudo, neutralidade. “Você precisa ser como a Suíça”, diz sua mãe. “Você deve manter-se forte e corajoso. Assim, viverá do jeito certo.” Crescer na Suíça após a Segunda Guerra Mundial em um apartamento apertado não é fácil. E na companhia de sua mãe, que não consegue nutrir nenhuma espécie de afeto especial por ele, é ainda mais complicado. Gustav quer viver a vida que sempre sonhou. A vida de Anton Zweibel, por exemplo, seu mais novo colega de classe, um menino judeu que sonha em ser pianista. O selo que mais emociona os darksiders apresenta seu mais novo lançamento: A Sonata Perfeita, de Rose Tremain. Com a narrativa emocionante de Em Algum Lugar nas Estrelas, de Clare Vanderpool, e a ternura de Leve-me com Você, de Catherine Ryan Hyde, o livro chega para trazer ainda mais ternura para a marca DarkLove ― e lembrar que o amor pode se manifestar das mais diversas formas e salvar vidas. A Sonata Perfeita é um livro poderoso e tocante que acompanha a história de Gustav e Anton ao longo de suas vidas, explorando seus relacionamentos familiares, seus dilemas internos e as transformações na amizade conforme os anos passam. E é com uma sensibilidade ímpar que Rose Tremain narra as doloridas repercussões da guerra dentro das paredes de neutralidade da Suíça e resgata as origens do antissemitismo da mãe de Gustav. Quieto e melancólico, terno e frágil, com uma estrutura similar a de uma sonata e o impacto de uma bela melodia. A Sonata Perfeita é um romance sobre como o passado afeta diretamente o presente ― mas, principalmente, sobre como precisamos aprender a seguir em frente, não importa o que aconteça.


A Sonata Perfeita - Uma amizade para além da guerra 


Gustav é apenas um menino que aos cinco anos de idade, vivendo em Matzlingen, Suíça dos anos de 1947, conhece a dureza do coração da mãe Emilie, já que havia perdido seu pai quando pequeno. Na escola, encontra em Anton, um jovem menino judeu, o afeto e amizade que tanto precisa.

Com fluidez, uma temática sensível a autora nos conduz pelas lembranças dos dois meninos e nos faz viver seus maiores segredos, medos, anseios, além de refletir até que ponto as pessoas são capazes de chegar para conquistar seus desejos, seja para alcançar sonhos, para fazer alguém feliz ou para criar um país melhor.

“Quem sabe? Esse é o problema com o mundo Gustavus: você nunca sabe por que as coisas são como são.”

Sobre Gustav e sua bela amizade:

Gustav com uma personalidade completamente pacífica, carente de afeto, é o oposto de Anton, que é cheio de ansiedade, apaixonado pela música ao ponto de nos palcos não conseguir expor todo o seu pontecial.

A amizade dos dois jovens é tão bonita e a narrativa da história nos leva para dentro de uma Suíça, que embora se diga protegida da guerra, convive diariamente com o medo de ser envolvida por ela.

Sem contar que chama bastante atenção a maneira como a autora narra a amizade entre um garoto judeu e um garoto suíço, que tem em sua mãe o desprezo pelos judeus por acreditar que eles foram os responsáveis pela morte de seu marido.




Um enredo que transborda emoções e levanta muitas reflexões:

O pano de fundo criado pela autora nos prende, e apaixonada pela música como sou, não poderia deixar de falar como a paixão de Anton pelo piano, no simples tocar das notas, me tocou profundamente.

Um enredo que aborda muitas questões, tais como o amor familiar, o preconceito, a depressão, entre outros assuntos, mas tudo se encaixando em cada aspecto da narrativa como uma luva, sendo necessária nas horas certas para a trama. 

“Gustav falou com Emilie. Chamava-a de Mutti. Ele não sabia se ela o escuta ou não. Ele disse : “talvez você esteja pronta, Mutti, mas eu não estou, tem uma coisa que eu sempre achei que poderia lhe ensinar, que é me amar. Mas eu nunca consegui, não é?”

É nítido questões como a dificuldade da mãe de Gustav em amar o próprio filho. A empatia e compaixão de Gustav por Anton, e toda espera e construção da amizade e amor entre eles, que transmite uma beleza indescritível

A trama conta com outros personagens que completam e abrilhantam ainda mais o enredo e uma maneira tão nítida, que mesmo quando deveríamos nos sentir bravos com algum acontecimento, é praticamente impossível julgá-los. E me faz lembras do ditado que diz: "Que o lugar mais difícil, é o lugar do outro".




Conclusão:

Foi uma experiência única ler esse livro. Me vi completamente imersa na obra e sentindo de maneira palpável o turbilhão de emoções que a história nos apresenta de forma intensa e profunda. Ao mesmo tempo que há beleza em suas páginas, também há tristeza.

A autora não apenas concluiu sua obra com maestria, como me encantou do começo ao final de sua narrativa.

Beijos e espero que tenham gostado da resenha. 

Ficha Técnica:

Título: A Sonata Perfeita
Autor (a): Rose Tremain
Tradução: Bruna Miranda
Editora: Darkside Books
Páginas: 272
Ano: 2020
Gênero: Romance Histórico / Ficção / Literatura Estrangeira
Onde Comprar: Amazon


Conheça outros livros da Editora Darkside











Nenhum comentário

Obrigada pela sua visita, volte sempre!