Resenha: Menina feita de Estrelas - Ashley Herring Blake

 

Editora: Plataforma 21
Páginas: 328
Ano: 2020
Gênero: Drama / Ficção / Jovem adulto / LGBT / GLS / Literatura Estrangeira

Onde Comprar: Amazon

*Parceria

Sinopse: No mês de junho, quando a constelação de Gêmeos despontava no céu do hemisfério Norte, nasceram Mara e Owen. Uma irmã e um irmão unidos pelos astros. Quando a noite caía, os dois subiam no telhado de casa para observar as estrelas e compartilhar histórias. Eles estavam lá um para o outro e nada poderia separá-los. Um dia, porém, Owen é chamado à diretoria do colégio. A namorada do garoto, Hannah, o acusara de estupro. E, como amiga e fundadora do Empodera – um coletivo feminista –, Mara sabe que tem o dever de apoiar a garota. No entanto, como fazê-lo quando o agressor é seu irmão gêmeo? Dividida entre sua família e o próprio senso sobre certo e errado, Mara também precisa aprender a conviver com Charlie – sua melhor amiga e ex-namorada. E como se tudo isso não bastasse, um trauma do passado volta para atormentar ainda mais seus pensamentos.


A história possui gatilhos (abuso sexual)

Menina feita de estrelas foi uma surpresa. Um livro impactante, "quem vê capa, não vê conteúdo". A capa sem dúvidas é maravilhosa, mas não nos prepara para o que está por vir. Ashley nos trás diversas reflexões, com temas relevantes, tais como, amizade, traumas, sororidade, relacionamentos, sexualidade, identidade, conssentimento na hora do sexo, entre outros. Sem dúvidas, uma leitura mais que necessária, não apenas para jovens leitores, mas para todos que precisam tomar consciência de algo que a ficção relata, mas ainda é pontual, doloroso e real fora das páginas!

A história começa de maneira lenta, para pontuar a relação de Mara e seu irmão gêmeo Owen, e com isso podemos de maneira palpável, perceber como Mara se sente quando tudo acontece e ela se vê entre a cruz e a espada, pois seu irmão é acusado de estupro pela namorada. Com isso não apenas ela precisa dar apoio a vítima, por ser amiga da cunhada e também fundadora do Empodera, além de ter que lidar com a realidade de que seu irmão estuprou alguém; mesmo sem conseguir acreditar inicialmente!

Isso tudo traz muitos transtornos para sua vida, a fazendo reviver seu próprio passado silenciado, e sua perspectiva de futuro é abalada. É necessário muita força e apoio para passar por algo assim. E ainda tem Charlie, sua melhor amiga e ex- namorada. Refletir sobre suas convicções, senso de certo e errado e ponderar sobre tudo que caiu sobre seu colo sem aviso prévio, encontrar seu caminho de volta para a luz será possível?

Temos nesse cenário uma situação que infelizmente também acontece na vida real, vozes silenciadas, mulheres que acreditam serem culpadas e não vítimas.
Aqueles ao redor de Mara, que se dizem lutar contra esse tipo de violência, não querem acreditar no que está ali diante de seus olhos. A mãe de Mara, que sempre foi incentivadora da luta da filha, não consegue acreditar no que está ocorrendo. Alex, melhor amigo de Owen, também não. Até mesmo para Mara é difícil assimilar, afinal é seu irmão, aquele com quem confidencia, tem intimidade, amizade, que lhe contava muitas histórias no telhado admirando as constelações com ela.



Por outro lado temos também Hannah, a vítima, que parece que nem mesmo ela acredita muito no que ocorreu, será que não disse em alto e bom tom? Será mesmo que ela disse "não"? Isso é algo que é corriqueiro. Uma leitura mais que necessária!
Uma leitura importante!
Sempre uso essa frase na minha vida: "Não sou obrigada a nada!" Fiquei muito orgulhosa de Mara, ela consegue achar a luz em meio ao caos, dar voz a vítima, e ver o que ninguém queria enxergar!
Senti a falta de aprofundamento em Owen e suas questões, não que qualquer coisa pudesse justificar seus atos..

A dor é algo que vemos saltar das páginas, a situação em que Mara se encontra. O que Hannah viveu, que infelizmente eu já vivi na vida real e muitas outras antes de mim, e tantas outras depois de mim.
Um livro mais que necessário. Que dá voz às vítimas e que trata de um assunto que a sociedade muitas vezes joga para debaixo do tapete.

Nenhum comentário