Resenha: O Último dos Magos - O Último dos Magos #1 - Lisa Maxwell

Editora: Plataforma21
Série: O Último dos Magos #1
Ano: 2017
Gênero: Fantasia / Ficção científica / Jovem adulto / Literatura Estrangeira 

*Acervo pessoal*

Resenhista convidada
Andynha

Sinopse: Pare o mago. Roube o livro. Salve o futuro.
Na Nova York dos dias atuais, a magia antiga e natural está quase extinta. Os poucos que ainda têm afinidade com ela – os Mageus – vivem nas sombras, escondendo o que são. Além disso, qualquer Mageus que adentre Manhattan é capturado por uma armadilha: a Beira, uma barreira invisível que os deixa permanentemente presos à ilha. Atravessar a fronteira estabelecida pela Beira significa perder os poderes – e, frequentemente, a própria vida. A jovem Esta é uma ladra talentosa e cresceu sendo treinada para roubar artefatos mágicos da Ordem, organização misteriosa criadora da Beira. Esta também tem uma habilidade inata: manipular o tempo. A jovem é capaz de furtar objetos do passado, coletando-os antes mesmo que a Ordem perceba que ela está lá. Mas todo o treinamento de Esta tem sido para uma tarefa maior: viajar até o ano de 1902 para roubar um livro antigo. Acredita-se que o Livro contém todos os segredos da Ordem – e da Beira. A missão de Esta é furtá-lo antes que o Mago o destrua, garantindo assim um futuro melhor a todos os que têm afinidade com magia. Mas a Nova York do início do século XX em que Esta deve mergulhar é perigosa e sem leis, comandada por gangues e sociedades secretas. Um lugar em que é possível sentir magia até no ar que se respira. Nada é o que parece, nem mesmo o Mago. E, para salvar o próprio futuro, Esta deve trair a todos no passado – sem exceção.
Best-seller do The New York Times, O Último dos Magos tem como elementos principais a magia, o romance, a aventura e uma generosa porção de surpresas. Uma alquimia ímpar elaborada pela aclamada autora Lisa Maxwell – e esse é só o começo de uma história que já nasce atemporal.

“O Mago ficou prado no limite do seu mundo e lançou um último olhar para a cidade.”

Andei numa pegada de magos, magia e coisas assim e acabei lendo muitos livros nessa temática, e a história de ‘O Último dos Magos’ acabou me intrigando bastante. A história se passa em algum momento paralelo ao nosso, onde magia existe, mas a mesma não é bem-vinda. Na Europa há uma grande concentração de magos/pessoas simples que possuem algum poder e em alguns casos as mesmas vão para os Estados Unidos, precisamente Manhattan tentar uma vida melhor e lá descobrem que os que possuem magia são malvistos, mas não podem mais sair.

A história é bem confusa no início, entender quem é quem, o que de fato acontece na cidade e a relação da magia com tudo isso, exige um pouco de paciência e persistência. Principalmente porque nos capítulos iniciais, nossa protagonista – Esta – está em outro tempo (povo adora fazer uma brincadeira de viajar no tempo...rs). Ela é uma espécie de ladra de relíquias.

A vida de Esta só nos é contada quase no fim, durante a história ela volta no tempo para conseguir um artefato raro, que pode ser capaz de mudar o destino de todos que possuem magia, já que o mesmo foi perdido neste período e ninguém sabe onde se encontra nos dias de hoje.

O enredo é interessante, foi bem construído, tem algumas reviravoltas durante a leitura, mas o forte realmente é no final do livro (gancho para o livro 2), mas requer uma certa concentração durante a leitura, principalmente na relação de personagens, são muitos. Depois entender o quem é quem e como as coisas vão acontecer.

Praticamente todos os personagens possuem uma certa importância, alguns gostamos mais do que de outros, claro, mas dentro da história, a autora soube de onde queria partir e em que ponto queria chegar neste livro e as explicações são coesas e de certa forma objetivas.

Torcendo para no próximo livro ter um pouco mais de ritmo. Acredito que a história será um pouco menos enrolada por já saber do que se trata, mas seria bom ler com uma velocidade maior do que li este primeiro.

Andynha

Nenhum comentário

Obrigada pela sua visita, volte sempre!